GreenNation

A sustentabilidade é uma atitude.

Notícias

Pintar os cabelos - um risco para a saúde


 

Mesmo as mulheres preocupadas com a saúde, e um estilo de vida saudável, que defendem o meio ambiente e os animais justificam o uso de coloração para os cabelos para “cobrir os cabelos brancos”. Bem, falei mulheres por ser a maioria, mas calcula-se que, no Brasil, 15% dos homens acima dos 40 anos também pintam o cabelo. E não adianta se enganar dizendo para si mesma que pintar os cabelos a cada 4 ou 6 semanas é seguro. O couro cabeludo é altamente vascularizado e, por isso mesmo, capaz de absorver mais prontamente as toxinas das tinturas e distribuí-las através do corpo todo.

O Environmental Working Group possui em seu banco de dados 945 corantes e tonalizantes para o cabelo, e menos de 50 são considerados seguros. O restante possui em sua composição toxinas ligadas ao câncer, alterações no desenvolvimento sexual e reprodutivo, neurotoxicidade, alterações imunológicas, agressão a órgãos ou sistemas, além dos mais comuns: alergias e irritação que atingem os olhos, pele e pulmões.

Para ser mais específico, é provável que dentre os ingredientes do produto que você usa existam coisas como: parafenilenediamina e tetrahidro-6-nitroquinoxalina (ambos cancerígenos e responsáveis por danos no material genético de animais); alcatrão (presente em 71% das tinturas de cabelo; além de ser carcinogênico, mulheres expostas possuem 25% mais chance de desenvolver leucemia); formaldeído ou formol (cuja legislação tem tentado banir dos produtos para cabelos nos últimos anos, por ser um conservante ligado ao câncer, e à toxicidade para o sistema reprodutivo e o desenvolvimento fetal); DMDM Hidantoína ou dimetilhidantoína (outro conservante conhecido por sua toxicidade ao sistema nervoso que é banido de outros países, como o Japão).

A lista pode ficar interminável e o post enorme, se eu relatar tudo o que pode conter nesses produtos. Isso sem contar que os fabricantes muitas vezes escondem seus ingredientes em nomes diferentes ou números. O caso da DMDM Hidantoína que falei acima é emblemático: algumas empresas dizem que não contém formol no produto, mas adivinhe qual é o produto liberado pela ação dela? Acertou quem disse FORMOL. Interessante, não? A indústria não é boba, mas quer nos fazer de bobos.

Não é à toa que mulheres que usam tintura pelo menos uma vez ao mês possuem uma chance duas vezes maior de desenvolver câncer de bexiga do que aquelas que não pintam o cabelo. Outro estudo identificou que mulheres que pintam o cabelo por mais de 20 anos dobram o risco de desenvolver artrite reumatoide. Independente de trabalhos científicos é importante que você saiba que a toxicidade pode aumentar ou diminuir dependendo do tipo de tintura que usa e sua composição química. Na teoria, você não deveria colocar em seu corpo nada que não possa ingerir. E se você está grávida ou amamentando, por favor, afaste-se desse tipo de produto: o impacto sobre a saúde de seu filho pode ser devastador.

Por Dr. Carlos Braghini, especialista em quiropraxia e autor do livro Ecologia Celular.

Fonte:
Beleza Orgânica


03 de fevereiro de 2012