GreenNation

A sustentabilidade é uma atitude.

Notícias

Fogos de artifício e seu impacto ambiental


Os fogos de artifício são uma tradição milenar iniciada na China há cerca de 2000 anos. Ao longo dos séculos as culturas ocidentais também adotaram os fogos como forma de celebração de datas especiais.

Hoje, o Brasil é o segundo maior produtor de fogos de artifício do mundo, perdendo apenas para China.

O país ainda promove a maior queima de fogos de réveillon do mundo em Copabana.


 


 
Mas como será que esse espetáculo pirotécnico interfere no meio ambiente?

A queima de fogos possui algumas características problemáticas:

Milhares de partículas de dióxido de carbono (CO2) são espalhadas pelo ar; e assim aumenta as emissões para a atmosfera;

O foguete libera estrôncio, uma perigosa substância tóxica;

Sua queda pode provocar incêndios;

Forte poluição sonora (120 decibéis - limiar da dor)

Assusta as aves e outros animais que mudam os seus comportamentos, alterando a rotina e, muitas vezes, provocando a migração.
 
Esses impactos podem alterar de forma significativa o meio ambiente. Em Portugal, o presidente da gestora de resíduos Lipor, Macedo Vieira, afirmou que uma noite de fogos de artifício em Londres polui mais do que uma incineradora durante um ano.

Até mesmo alguns eventos onde os fogos sempre tiveram lugar de destaque já estudam formas de reduzir os impactos ambientais causados pelas explosões:

O Comitê Olímpico Internacional (COI) aceitou estudar uma proposta para proibir o uso de fogos de artifício nas cerimônias de Abertura e Encerramento dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos.

A medida foi proposta pela Comissão de Esporte e Meio Ambiente. De acordo com um de seus membros, o japonês Masato Mizuno, o uso dos fogos de artifício servem para poluir ainda mais o ar.

Segundo Mizuno, se os jogos defendem a preservação do meio ambiente, a queima de fogos nas cerimônias é um paradoxo.

Além das substâncias tóxicas liberadas pelos fogos outros problemas são encontrados, como em 1988, na abertura de Seul, onde várias pombas morreram após terem sido mal acondicionadas e outras queimadas ao serem soltas e voar em direção à pira olímpica.
 
Outro ponto crítico é que o material utilizado para fazer os fogos é dificilmente reciclável, as substâncias tóxicas dificultam o processo, pois seu manuseio pode ser danoso a saúde. Potássio, cobre e bário, usados em muitos tipos de fogos de artifício causam a poluição do ar quando liberados. E ainda existe o risco de partes não acionadas do explosivo, virem a explodir durante a reciclagem. Por isso as empresas recicladoras não recebem fogos de artifício.
 
Contudo, existem algumas formas de amenizar os impactos causados pelos espetáculos pirotécnicos. Fogos que funcionam movidos por lançamento aéreo, e não de pólvora, prejudicam menos o meio ambiente. Os restos de papelão destes tipos de fogos podem ser reciclados nos centros que aceitam produtos de papelão.

O importante é lembrar que para festejar plenamente, todos os envolvidos devem estar satisfeitos, inclusive o planeta.

 

fontes: Lance; Ambiente; IOL


28 de dezembro de 2010