GreenNation

A sustentabilidade é uma atitude.

Notícias

Entrevista com o Quiropraxista Dr. Carlos Braghini Jr


 

Dentre as tantas alternativas ao sistema de saúde tradicional, a Quiropraxia é uma delas. O Green Nation entrevistou o Dr. Carlos Braghini Jr, autor do livro Ecologia Celular,  para falar um pouco mais sobre este tipo de tratamento e seus benefícios para a vida humana. 
 
 
O que é Quiropraxia?
A Quiropraxia é uma profissão na área da saúde que se dedica ao diagnóstico, tratamento e prevenção de alterações do sistema músculo-esquelético, e os efeitos dessas alterações sobre o sistema nervoso e a saúde em geral. Os pacientes são instruídos sobre atitudes saudáveis, cuidados com a coluna, exercícios de reabilitação músculo-esquelética e nutrição. Porém os quiropraxistas não são simplesmente doutores de ossos. Embora eles sejam especializados em dores nas costas, preocupam-se com a saúde do corpo inteiro. De fato, a quiropraxia é uma ciência, uma arte e uma filosofia. Seu campo de atuação é o de curar usando as mãos e isso significa alívio para as pessoas que tratam suas dores nas costas com um quiropraxista.
 
 
Quem pode fazer?
Todo mundo pode se beneficiar do tratamento quiroprático: de bebês aos idosos, de atletas às grávidas, àqueles que estão doentes aos que se cuidam preventivamente. 
 
Qual a relação deste tipo de tratamento com o meio ambiente?
As pesquisas de opinião pública efetuadas em diferentes países confirmam o interesse cada vez maior das pessoas pela medicina não convencional. Nos países em que existem estatísticas disponíveis, as terapias complementares são utilizadas por 20 a 50% da população.
 
Este interesse crescente traduz certa preocupação pela medicina convencional, cujo desenvolvimento tecnológico trouxe inegáveis sucessos, mas, ao mesmo tempo, produziu um inequívoco desequilíbrio da relação médico-paciente. Além disso, o arsenal de medicamentos em que se baseia a medicina convencional é, sem dúvida, eficaz, mas combate primariamente os sintomas e ainda provoca freqüentes efeitos indesejáveis e graves estados de dependência.
 
O que as estatísticas mostram é uma tendência na direção de uma medicina mais humana, que se ocupe do ser humano como tal e não somente da sua patologia. Daí o renovado interesse por terapias tradicionais e produtos medicinais menos agressivos ao organismo – e, por que não dizer, ao meio ambiente – que visam não só a destruir o agente patogênico, mas principalmente devolver ao corpo humano a capacidade de resistir a este agente.
 
A respeito do livro Ecologia Celular, qual é o objetivo do livro? O que ele aborda?
Em vez de dietas mirabolantes ou perigosamente restritivas o livro destrói uma coleção de mitos sobre o que é bom para a saúde. De maneira relativamente simples, apresento conhecimentos médicos não tão facilmente disponíveis para o público leigo, preferindo dar ao leitor o poder de decidir sobre que caminhos ele escolhe para sua vida. Ao final do livro, aprendemos que diabete, hipertensão arterial, problemas cardíacos, câncer etc., não são definidos por nossos genes, mas pelas escolhas que fazemos ao longo de toda a nossa vida.
Como clínico geral que escolheu o caminho da alimentação e dos hábitos saudáveis de vida no tratamento de meus pacientes, é o resultado de minhas pesquisas e de experiência clínica que ofereço em pouco mais de trezentas páginas.
 
A obra é repleta de sugestões que podem mudar sua vida como pare de comer derivados de soja que não sejam fermentados, esquecer os óleos vegetais que compramos nos supermercados, abandonar os adoçantes artificiais, ter cuidado com os produtos contendo glutamato monossódico... E não é só isso: seu médico lhe prescreveu estatinas para controlar o colesterol?  Você trocou a manteiga pela margarina, pois acreditou na propaganda que diz que é melhor para o coração? Só compra produtos diet ou light? Você está em maus lençóis!
 
Qual é a alimentação ideal de acordo com a quiropraxia?
A alimentação natural, rica em enzimas (ou seja, viva), que não traga mais estresse ao nosso corpo já sobrecarregado pelo dia a dia. Acha que estou exagerando? Veja este trecho do livro:
 
"Imagine-se acordando de manhã: escova os dentes com pasta contendo flúor e enxágua a boca com água da torneira contendo cloro; toma banho e absorve através da pele mais cloro, flúor, arsênico, alumínio, trialometanos e outras substâncias químicas usadas no tratamento da água que cai do chuveiro; usa xampu e condicionador carregado de derivados de petróleo; barbeia-se ou maquia-se com produtos também carregados com petrotoxinas; aplica desodorante contendo alumínio em suas axilas; veste uma roupa lavada com um sabão carregado de produtos tóxicos e com aquele “cheirinho” do amaciante tóxico.
 
Senta-se à mesa para tomar um café pulverizado com pesticidas; mistura um leite industrializado (contendo resíduos de antibióticos, hormônios do crescimento e transgênicos derivados da ração que o animal foi alimentado), pasteurizado (menor valor nutritivo) e desnatado (sem gordura para a absorção de cálcio e proteínas); adoça-os com açúcar refinado (acidificante e hiperglicêmico) ou aspartame (neurotoxina); come pão francês (hiperglicêmico) feito com farinha de trigo refinada aditivada com ferro (oxidante), com margarina (gordura hidrogenada) e presunto (nitritos cancerígenos); bebe suco de frutas de caixinha (interior revestido de alumínio), pasteurizado, adoçado (carga glicêmica) e carregado de conservantes e outros aditivos químicos; come mamão (pesticidas, adubos acidificantes e carcinogênicos) irradiado com raios gama (sem valor nutritivo e formador de radicais livres) com granola (cereais hiperglicêmicos de baixo valor nutritivo e contaminado com fungos) ou com um cereal de caixinha, como flocos de milho (alto índice glicêmico e feito com cereais transgênicos); lê o jornal carregado de noticias desagradáveis, discute alguns problemas familiares e se prepara para se dirigir ao trabalho estressante pensando em como driblar o trânsito...E você ainda nem saiu de casa!"
 
Li algumas matérias no blog Beleza Orgânica sobre o perigo do uso do protetor solar a saúde. Quais alternativas são seguras para saúde?
O ideal seria não usar protetor solar de espécie alguma. E também deveria ficar exposto ao sol o tempo suficiente para sua pele ficar vermelha e produzir vitamina D. Depois disso, voltar para casa e não tomar banho completo. Qualquer exposição adicional traz riscos e nenhum benefício à sua saúde.
 
Mas existem situações onde necessitamos ficar expostos por mais tempo e a proteção se torna obrigatória.
A maneira mais simples de se proteger do excesso de sol é... vestir uma roupa. Sim, as roupas providenciam uma proteção solar equivalente ao uso de um FPS 15. Ficar embaixo do guarda-sol também é uma estratégia adequada.
 
Se isto não for o suficiente, é necessário o uso de um protetor solar seguro e eficaz. Parece fácil, mas o uso de protetores solares convencionais acaba por introduzir em seu corpo uma carga absurda de toxinas que, na verdade, aceleram o câncer de pele e, por chegarem à corrente sanguínea, produzem efeitos tóxicos sistêmicos, incluindo desequilíbrio hormonal. O protetor solar ideal seria aquele que não contém derivados de petróleo (petroderivados), que utilizam como ingredientes ativos óxido de zinco e dióxido de titânio. 
 
Outra matéria foi sobre as tintas de cabelo. Existe alguma maneira de pintar os cabelos sem prejudicar a saúde e o meio ambiente?
A atitude mais saudável é limitar sua exposição a todos os produtos químicos tanto quanto possível. Isto inclui rever seus conceitos sobre pintar os cabelos e tentar parecer mais jovem do que você realmente é. O ideal é não colocar no seu corpo nada que não possa ingerir, mas se  você ainda assim está determinada a usar uma coloração, pelo menos siga as dicas abaixo:
 
1.       Ao pintar os cabelos, evite as tinturas mais escuras (preto, marrom escuro). Os componentes químicos são virtualmente semelhantes, mas sua concentração é muito maior nos de coloração mais forte.
 
2.       Evite coloração permanente, pois são as mais tóxicas. Prefira tinturas temporárias ou semipermanentes.
 
3.       Procure por marcas naturais ou orgânicas, que usam hena ou pigmentos vegetais como ingredientes principais. Na média, são menos tóxicos.
 
4.       Se você faz sua coloração num salão de beleza procure levar seu próprio produto. Ou então, escolha produtos sem cheiro e com menos substâncias químicas. Diga que você é alérgica, coisa e tal... às vezes, eles possuem produtos para pessoas mais sensíveis.
 
5.       Cabelos grisalhos antes dos 40 anos pode significar disfunção da tiroide. Olhe que estratégia fantástica da indústria: os ftalatos podem provocar hipotiroidismo, que deixa os cabelos mais brancos, que você pinta e deixa-os mais branco, problema que você resolve pintando-os... Fique atenta!
 
 
Como identificar se um produto é prejudicial ou não? Cite alguns componentes que devemos tomar cuidado.
A lista seria interminável. Hoje, cerca de 80.000 produtos químicos estão em uso comercial e a cada 20 minutos a indústria coloca mais um no mercado. Por isso, alguns indivíduos contêm mais de 500 destas substâncias em seus próprios corpos.
Como regra, você não deveria passar no seu corpo algo que você não possa ingerir. Ou  pelo menos, fuja de nomes esquisitos, que contenham mais números do que palavras, que contenham coisas como metil-etil-hidroxi-fenil, enfim, nomes impronunciáveis
 
O que seria uma vida sustentável no seu ponto de vista?
Uma resposta simples: aquela que coloque a vida humana em primeiro lugar. Nada deveria ser mais importante do que nossa própria vida. Se cada um fizesse sua parte, viveríamos num mundo certamente melhor. Cuidaríamos melhor de nossas vidas e daqueles que nos cercam, incluindo o ambiente e nosso mundo.
 
Conheça o site do Dr. Carlos Braghini Jr aqui.


16 de março de 2012