GreenNation

A sustentabilidade é uma atitude.

Dicas

Parques na cidade de São Paulo


Seguindo nossa linha de passaporte verde, expandimos também a dica de parques pelas cidades. Hoje, vamos falar sobre os melhores pontos de ecoturismo da cidade de São Paulo, provando que a cidade que nunca para também pensa em opções que envolvam o meio ambiente para os seus habitantes.

Querem conhecer? Para isso é bom saber algumas regrinhas importantes dos locais de conservação. Veja:

- Não se leva nada de um parque a não ser lembranças.  Animais, plantas, rochas, frutos, sementes e conchas encontrados no local fazem parte do ambiente;

- Caçar, pescar e molestar animais silvestres é crime previsto por lei. Os animais precisam buscar seu próprio alimento para manter o ciclo de vida natural;

- Evite entrar no parque com animais domésticos, pois isso poderá causar problemas como a introdução de doenças e ameaças ao ambiente natural;

- O lixo deve ser depositado em locais apropriados. Nada de fumar cigarro e jogar a "pita" no chão;

- As áreas de visitação pública costumam ser restritas e, normalmente, possuem horários definidos.

Agora sim! Confira os parques que os Greens selecionaram:

 

Parque do Ibirapuera

 

Possui uma área de 1,6 milhões de m² e no seu interior encontram-se importantes prédios públicos, vários museus, planetário e o Pavilhão Japonês, com jardins e lagos característicos. Na área livre há pistas de cooper, quadras esportivas, ciclovia, além de um grande viveiro de plantas. Estão no parque o prédio da Bienal, além do Ginásio de Esportes, o Museu do Presépio, o Museu da Aeronáutica e do Folclore, o Obelisco em homenagem aos hérois de 32 e o monumento às Bandeiras. Considerado uma das mais importantes áreas verdes da cidade, o Parque do Ibirapuera foi inaugurado por ocasião das comemorações do IV Centenário da fundação da cidade de São Paulo em 1954.

 

Horto Florestal

Localizado na Zona Norte da Capital, ocupa área de 174 hectares. O Horto Florestal oferece ao visitante um contato direto com a natureza, com fauna e flora diversificadas. Há palco para eventos, área de piquenique, playground, pista de cooper, equipamentos de ginástica, bicas de água potável, lagos e o Museu Florestal. Abriga, ainda, o Palácio de Verão do Governo do Estado.

 

Instituto Florestal

O Instituto Florestal, órgão vinculado à Secretaria de Estado do Meio Ambiente, foi criado em 26 de janeiro de 1970. Desde sua fundação, a instituição de pesquisa é pioneira no país na adaptação e desenvolvimento dos planos de manejo das áreas naturais, repassando a tecnologia para a esfera federal.

O Instituto tem sob sua administração 851.910,03 hectares de florestas naturais e implantadas, abrigadas sob a forma de 86 Unidades de Conservação. Desta forma, o resguarda 3,4% do território paulista, incluindo 10% do que sobrou da preciosa biodiversidade da Mata Atlântica. Conta ainda com extensas áreas de Florestas e Estações Experimentais; Reservas e Parques Estaduais, além de prestar serviço de Comunicações Técnico-Científicas.

 

Parque Alfredo Volpi

Este parque fica numa área de 142.000 m² e oferece várias trilhas para caminhadas, onde podem ser observadas variadas espécies de animais e plantas. Há ainda três lagos, que ficam em diferentes níveis e são alimentados por uma nascente natural. Os freqüentadores contam também com uma pista de cooper e um playground.

 

Parque da Juventude

Em setembro de 2003, o Parque da Juventude mudou a paisagem na Zona Norte, ao substituir a Casa de Detenção do Carandiru por uma grande área verde. A primeira fase do Parque, entregue em setembro de 2003, incluiu instalações esportivas como pista de skate, dez quadras (onde são praticados esportes como tênis, vôlei, futsal e basquete). Há ainda áreas de descanso, vestiários e pista para caminhada. Nesta etapa o Governo investiu recursos de R$ 7,2 milhões.

A segunda fase do Parque da Juventude, denominado Parque Central, foi entregue em setembro de 2004. Seus 95 mil m² incluem um conjunto de atrativos para os visitantes como o arvorismo (modalidade de esporte que permite andar pelas árvores em caminhos suspensos), imensa área verde com alamedas, jardins, bosques, árvores ornamentais e frutíferas. As antigas passarelas de vigia da muralha do antigo presídio, que foram preservadas, é uma atração para quem quer conhecer a área, passear ou observar a natureza.

No Parque Central também serão oferecidos cursos de segurança em esportes de aventura e formação de monitores para este nicho da indústria do turismo, que capacitará profissionais para a atuarem no próprio parque e em vários pólos no Estado. O local tem ainda um viveiro onde serão preparadas as mudas e espécies arbóreas originais da Mata Atlântica. Para o início de 2005, haverá uma programação de educação ambiental dirigida a alunos da rede ensino estadual, municipal e particular.

Toda esta estrutura integra um projeto paisagístico especialmente desenvolvido para a implantação do Parque Central, onde o Governo do Estado investiu R$ 6,3 milhões, por meio da Secretaria da Juventude Esporte e Lazer.

A terceira fase do Parque da Juventude será entregue em 2006 e inclui os prédios institucionais. Sua entrada será localizada em frente à estação Carandiru do metrô, facilitando o acesso não só da população da Zona Norte, mas de toda a Capital.

 

Parque Ecológico do Tietê

O Parque Ecológico do Tietê - Núcleo Engenheiro Goulart, inaugurado em 1982, atende aos moradores da Zona Leste, com 4,5 milhões de habitantes.

Ocupa uma área de 14 milhões de metros quadrados, que vai desde a Barragem da Penha e São Miguel Paulista ao município de Guarulhos. Ele serve de bacia de acumulação de água do Rio Tietê para que não haja enchentes na Marginal.

Considerado uma das grandes reservas ambientais do Estado, também é um grande laboratório de educação e cultura em relação ao Meio Ambiente, sem descuidar de sua finalidade, que é a preservação da Várzea do Rio Tietê.

O Parque conta com o Centro de Educação Ambiental, o Centro Cultural, o Museu do Tietê, Biblioteca, e o Centro de Recepção de Animais Silvestres, que abriga 2 mil animais (apreendidos pelo Ibama, Polícia Florestal ou doados pela população).

O governo do Estado iniciou, em 2004, obras de revitalização do Parque Ecológico do Tietê. No lançamento do programa, foram plantadas 500 árvores marcando a inauguração do Bosque da Diversidade.

Dentro do programa de revitalização já foram concluídos: a recuperação da trilha de caminhada e dos campos de futebol; ampliação do Museu do Tietê; construção de novos quiosques com churrasqueiras, coreto, mesas c/ tabuleiro de xadrêz, sanitários, playground's, áreas de ginastica; reforma do conjunto aquatico, das lanchonetes, das quadras poliesportivas, do casarão para a o Centro de Apoio ao Idoso, do Centro de Recepção de Animais Silvestres, que passou a se chamar Orlando Villas Boas. Prevê ainda a ampliação da área de lazer até a barragem da Penha.

 

Parque Villa Lobos

Localizado no bairro de Alto dos Pinheiros, na região Oeste da Capital, o Parque Villa-Lobos é uma das boas opções de lazer ao ar livre da cidade. Essa unidade de conservação abrange uma área de 732 mil m², possui ciclovia, quadras, campos de futebol, “playground” e bosque com espécies de Mata Atlântica. A área de lazer inclui ainda aparelhos para ginástica, pista de cooper, tabelas de “street basketball” e um anfiteatro aberto com 750 lugares, sanitários adaptados para deficientes físicos e lanchonete.

O Parque Villa-Lobos conta também com o Espaço Vida, novo nome do Centro de Educação Ambiental, que foi implantado pela Secretaria do Meio Ambiente, em parceria com o Instituto Unibanco, com a finalidade de promover a formação de professores e a conscientização de jovens sobre a necessidade de recuperação e preservação dos recursos naturais.

O parque, por apresentar grande área plana e caminhos praticamente nivelados, é o primeiro a ser adequado à acessibilidade de pessoas com deficiências. Para portadores de deficiências visuais, por exemplo, dispõe de sinalização tátil implantada sob a orientação da Fundação Dorina Nowill, entidade que desenvolve trabalhos para atender esse segmento da população.

O Parque Villa-Lobos abre todos os dias – incluindo fins-de-semana e feriados - das 5h30 às 19h. No horário de verão, as até 20h.


28 de outubro de 2013